Alimentação e Produtividade

A relação entre alimentação e produtividade é fácil de perceber ao analisar o desempenho dos colaboradores. Continue a leitura para entender essa relação e descobrir quais ações tomar para melhorá-la.

Alimentação x Produtividade no Trabalho:

Sabemos que a presença de vitaminas e minerais na dieta de forma balanceada faz a manutenção do colesterol, peso e da saúde no geral.

A dieta de qualidade também melhora a concentração, assertividade na resolução de problemas, rendimento e consequentemente a produtividade. Isso porque uma boa nutrição é fonte de quantidades ideais de energias, possibilitando a realização das atividades com efetividade.

Já uma dieta desequilibrada, normalmente provinda de alimentos ricos em gorduras, sódio e pobres em nutrientes e minerais – calorias vazias – não fornece ao organismo a energia necessária para realizar as tarefas, atrapalhando o rendimento e produtividade.

A má alimentação também afeta o sistema imunológico favorecendo o desenvolvimento de doenças, das mais corriqueiras às mais graves.

Saúde x Trabalho

A saúde física é um dos maiores fatores quando o assunto é baixa produtividade. Má alimentação e sedentarismo formam a dupla que tornam as pessoas mais propensas a insônia, fadiga, indisposição, ineficácia mental e incapacidade de realizar tarefas.

Benefícios da alimentação saudável:

São inúmeras, mas listaremos as mais importantes ligadas a realidade corporativa, tanto do ponto de vista do colaborador quando dos CEOs:

  • Melhoria no desempenho;
  • Melhor qualidade de vida;
  • Redução de acidentes de trabalho;
  • Redução de custos com doenças;
  • Melhora no humor;
  • Maior satisfação com a empresa;
  • Menor rotatividade;
  • Melhor concentração.

Alimentos favoráveis ao funcionamento do cérebro:

Os nutrientes presentes em alguns alimentos são essenciais para o bom da atividade cerebral, sendo capazes de aumentar o poder de concentração e melhor o raciocínio. São alguns deles:

  • Linhaça, peixes, azeite extra virgem, óleo de coco e frutos do mar — ricos em ômega 3, gordura de boa qualidade que compõe a “bainha de mielina”, uma membrana que reveste os neurônios, fundamental para o funcionamento deles;
  • Ovo, brócolis e couve-flor – ricos em colina, um importante precursor da acetilcolina — neurotransmissor importante para o funcionamento cerebral;
  • Nozes e castanhas – além de terem ômega 3, também contêm zinco e selênio, nutrientes importantes para o melhor funcionamento cerebral;
  • Couve, rúcula, agrião, brócolis e outras folhas e vegetais de cor verde-escura, feijão, lentilha, ervilha, abacate e fígado bovino – contêm vitamina B9, importante para o desempenho cognitivo.

Alimentos que fortalecem a imunidade e musculatura:

Existem alimentos que afetam positivamente o sistema imunológico e também o sistema musculoesquelético, alguns exemplos:

  • alimentos ricos em proteínas – fazem a manutenção da musculatura, fortalecendo e tornando-a menos suscetível à lesões;
  • alimentos de cor verde-escura, como couve, rúcula e os laticínios – alimentos com alta concentração de cálcio, nutriente importante para o sistema osteomuscular, protegendo o organismo de lesões;
  • Peixes e óleos vegetais, frutas cítricas, leite, carnes, ovos e alimentos de cor alaranjada – Esses alimentos são fonte de vitaminas A, C e E que são nutrientes antioxidantes, essenciais para o sistema imunológico, agindo na prevenção de envelhecimento celular precoce e têm ainda ação anticancerígena.

Riscos da má alimentação:

Uma alimentação ruim além de resultar em fadiga, indisposição, insônia, baixa produtividade, falta de foco representa também grandes danos à saúde.

A ausência de macro e micronutrientes essenciais torna o organismo mais propenso a desenvolver inúmeras doenças, favorecendo o sobrepeso, desenvolvimento de doenças crônicas e câncer.

Uma dieta cheia de calorias vazias também torna as pessoas mais suscetíveis a infecções e ao desenvolvimento de LER (Lesão por Esforços Repetitivos) e DORT (Dores Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho).

Como incentivar a boa alimentação na organização?

É possível que a empresa tome ações para conscientizar seus colaboradores e incentivá-los a melhorar seus hábitos.

Palestras com nutricionistas é uma forma muito válida já que podem acontecer com pouca frequência, objetivando a conscientização.

Para empresas que dispõe de restaurantes coletivos é válido oferecer em suas refeições alimentos ricos em nutrientes.

Além do desenvolvimento de campanhas informativas que frisam a importância da boa alimentação bem como realizar as refeições de três em três horas: café da manhã reforçado, lanche leve, almoço saudável, jantar equilibrado e ceia simples.

Com essas ações é possível melhorar significativamente o relacionamento entre alimentação e produtividade, beneficiando a organização e qualidade de vida dos colaboradores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *